recorte

MUDE SEUS HÁBITOS

NÃO SEUS DESEJOS!

(TOMMY SHELBY- PEAKY BILNDERS)

 

Você já deve ter se questionado alguma vez na vida: “Por quê as coisa não deram certo?”

Você fez tudo do jeito correto, levantou cedo, estudou, se dedicou, esforçou-se ao máximo, mas ainda assim não alcançou o objetivo almejado? Logo alguns pensamentos derrotistas tomaram de assalto sua mente: “Você não nasceu para isso?” “Você não tem dom.” “Não era seu destino!” “Você terá algo melhor na frente”, e tantas outras frases poderiam se encaixar neste contexto certo? Mas tenho algo pra te contar:

Tudo isso é MENTIRA!

Sim é mentira, isso tem muito a ver com seu padrão de pensamento. e que em nada refletem a realidade.

Tudo,isso mesmo, TUDO AQUILO QUE SUA MENTE É CAPAZ DE CONCEBER, ELA É CAPAZ DE REALIZAR!

Então, você deve estar se perguntando, onde está o erro?

E não fique chateado com o que vou te dizer; o erro é você , sim você é o resumo dos seus hábitos, logo, você é quem sabota e tira as própria oportunidades de sua vida.

Sísifo o mestre da málicia.

Esse personagem da mitologia Grega pode mostrar exatamente o que estou falando. De forma resumida Sísifo era um cara que tinha uma boa vida, uma bela esposa e tinha belos filhos, e que quando vem a falecer, engano Hades o senhor da morte por duas vezes. Hades então dá a ele uma punição bem simples, empurrar uma pedra até o topo da montanha, entretanto, quando Sísifo, está em vias de cumprir sua missão, a  pedra rola e volta ao ponto de partida.

Veja bem, ele é vítima de sua própria malandragem, e muitas vezes é exatamente isso que acontece com nossa vida, somos vítimas de nossos hábitos, e são eles que nos fazem muitas vezes retroceder ao ponto de partida.

Vou listar aqui alguns  hábitos prejudiciais:

  • Desperdiçar tempo(TV, redes sociais, etc)
  • Procastinação
  • Lamentar
  • Falta de foco/ interromper o andamento do que está fazendo
  • Comparação(neste caso, o hábito de comparar sua vida e conquistas com a vida dos outros)
  • Não definir um processo de execução.

Bem, poderíamos aumentar ainda mais essa lista, mas estes são os hábitos mais comuns.

E ai, achou algum em que se encaixa?

Que tal muda-los, seja sincero, você quer continuar tendo os mesmos resultados na sua vida? Eles estão bons para você?

 

division-of-chinese-martial-art

As artes marciais chinesas e suas divisões

Artes marciais chinesas e suas divisões:

Origem e história

Existem centenas de estilos diferentes de artes marciais chinesas, cada um com seus próprios conjuntos de técnicas e idéias. O conceito de estilos de artes marciais surgiu em torno da dinastia Ming (1368-1644). Antes do período Ming, as habilidades marciais eram comumente diferenciadas principalmente por sua linhagem. Existem temas comuns entre esses estilos que permitem que sejam agrupados de acordo com as “famílias” generalizadas ( 家= jiā ), “frações” ( 派 = pài ), “classe” ( 門 = mén ) ou “escolas” ( 教 = jiào ) de estilos de artes marciais. Existem estilos que imitam movimentos de animais, ou se referem ou aludem a animais ou seres míticos, como dragões, e outros que se inspiram em várias filosofias ou mitologias chinesas. Alguns estilos profundamente internos tendem a se concentrar fortemente na prática relacionada ao aproveitamento da energia Ch’i , enquanto outros estilos mais visivelmente externos tendem a mostrar habilidades e habilidades em competição ou exibição.
Divisão por localização geográfica

A rica variedade de estilos levou à criação de vários esquemas de classificação. A localização geográfica, como a afiliação regional, é um exemplo bem conhecido. Um estilo particular de artes marciais chinesas pode ser chamado de punho norte ( 北拳 ) ou punho sul ( 南拳 ), dependendo do seu ponto de origem. Detalhes adicionais, como província ou cidade, podem identificar ainda mais o estilo específico. Outros esquemas de classificação incluem o conceito de externo ou interno ( 内 家 拳 ; 內 家 拳) Este critério diz respeito ao foco do treinamento de um estilo específico. Em alguns estilos também existem divisões em práticas religiosas, todavia, não sendo a sua maioria. As três grandes religiões do taoísmo, budismo e islamismo associaram estilos de artes marciais. Existem também muitos outros critérios usados para agrupar artes marciais chinesas; por exemplo, estilos zoomórficos e estilos lendários; estilos históricos e estilos familiares. Outra abordagem mais recente é descrever um estilo de acordo com o foco do combate.
A linha divisória tradicional entre as artes marciais chinesas do norte e do sul é mais importante rio da China o Yangtzé Um estilo também pode ser classificado com mais clareza de acordo com pontos de referência regionais, província, cidade e até com uma vila específica.

Soldado Manchu , uma casta de artistas marciais profissionais ativos na sociedade chinesa recentemente,

 Estilos do Norte:

Os estilos do norte / Běi pài (北 派) apresentam posturas profundamente estendidas – como as posições de cavalo, arco, conectadas por transições rápidas de fluidos, capazes de mudar rapidamente a direção na qual a força é emitida.

O grupo de artes marciais do norte inclui muitos estilos ilustres, como Baguazhang , Baijiquan , Chanquan ,Choujiao,Ying Jow Pai,Tang Lang eTai Chi .

Changquan é a representação dos estilos do Norte no sistema de Wushu moderno.

Os estilos do norte exibem um sabor distinto das artes marciais praticadas no sul. Em geral, as características de treinamento dos estilos do norte concentram mais o trabalho muito forte em bases, chutes e acrobacias. Nas artes marciais coreanas nota-se a influência dos estilos do norte pode ser encontrada devido  sua ênfase nos chutes de alto nível.

Estilos do Sul:

As artes marciais do sul da China / Nan pài (南 派) apresentam posições estáveis ​​baixas e movimentos curtos e poderosos que combinam ataque e defesa. Na prática, Nanquan se concentra mais no uso das técnicas de braço e corpo inteiro do que chutes altos ou movimentos acrobáticos. Existem várias explicações para essas característica.

A influência dos estilos do sul pode ser encontrada no Goju Ryu um estilo de Okinawa de Karatê.

O termo estilos do sul geralmente se aplica aos cinco estilos de família do sul da China: Choy Gar, Hung Gar , Lau Gar, Ng Ying Kungfu, Família Lee,  e Mok Gar

Outros estilos incluem:Choy Li Fut, Fujian White Crane Wuzuquan , Wing Chun, Hak Fu Mun e Bak Mei. Existem subdivisões nos estilos do sul devido às suas características semelhantes e herança comum. Por exemplo, as artes marciais de Fujian podem ser consideradas uma dessas subdivisões. Esses grupos compartilham as seguintes características: “durante as lutas , os mestres desses sistemas preferem passos curtos e lutas fechadas, com os braços colocados perto do peito, os cotovelos abaixados e mantidos próximos aos flancos para oferecer proteção”.

Similar ao Norte a forma Nanquan, representa os estilos sulistas nas rotinas modernas.

Outras classificações:

As artes marciais chinesas também podem ser identificadas pelos marcos regionais, província, cidade ou até vila. Geralmente, essa identificação indica a região de origem, mas também pode descrever o local em que o estilo estabeleceu uma reputação. Marcos conhecidos usados ​​para caracterizar artes marciais chinesas incluem as famosas montanhas da China. As Oito Grandes Escolas de Artes Marciais (八大 門派 / 八大 门派), um agrupamento de escolas de artes marciais usadas em muitos romances de wuxia, são baseadas neste tipo de classificação geográfica. Este grupo de escolas inclui Hua Shan (華山 / 华山),Montanhas Emei (峨嵋山),Wudang Shan (武当山), Monte Kongtong (崆峒 山), Montanhas Kunlun (崑崙 山 / 昆仑 山), Montanhas Cang (蒼山 / 苍山),Monte Chingcheng (青城 山) e Monte Song Shaolin (嵩山 少林). Historicamente, existem 18 províncias (省) na China. Cada província tem seus próprios estilos de artes marciais. Por exemplo,em Xingyi , atualmente existem três ramos principais: Shanxi , Hebei e Henan.

Cada filial tem características únicas, mas todas elas podem ser atribuídas à arte original desenvolvida por Li Luoneng e pela família Dai. Um estilo específico também pode ser identificado pela cidade onde a arte foi praticada. Por exemplo, no norte, as cidades de Pequim ou Tianjian, criaram diferentes ramos de artes marciais para muitos estilos. Da mesma forma, no sul, as cidades de Xangai, Quandong e Foshan, todos representavam centros de desenvolvimento de artes marciais. Os estilos mais antigos de artes marciais podem ser descritos por sua afiliação na vila. Por exemplo, Zhaobao Tai Chi Chuan (趙 堡 忽 靈 架 太極拳 / 赵 堡 忽 灵 架) é um ramo Tai Chi do estilo Chen, originário da vila de Zhaobao.

Estilos externos e internos:

A distinção entre artes marciais externas e internas (外 内) vem do epitáfio de 1669 de Huang Zongxi para Wang Zhengnan .Stanley Henning propõe que a identificação do Epitáfio das artes marciais internas com o Taoísmo indígena da China e a identificação das artes marciais externas com o Budismo estrangeiro de Shaolin – e a Dinastia Manchu Qing à qual Huang Zongxi se opunha – pode ter sido um ato de desafio político e não de classificação técnica. Kennedy e Guo sugerem que as classificações externas e internas só se tornaram populares durante o período republicano. Foi usado para diferenciar entre dois grupos concorrentes da Academia Central de Guoshu. Independentemente da origem desse esquema de classificação, a distinção se torna menos significativa, pois todos os estilos completos de arte marcial chinesa têm componentes externos e internos. Esse esquema de classificação é apenas um lembrete da ênfase inicial de um estilo específico e não deve ser considerado uma divisão absoluta.

Estilo externo

O estilo externo ( 外家 =Wài jiā ; literalmente: ‘família externa’) é frequentemente associado às artes marciais chinesas. Eles são caracterizados por movimentos rápidos e explosivos e foco na força e agilidade física. Os estilos externos incluem os estilos tradicionais, focados na aplicação e na luta, bem como os estilos modernos, adaptados à competição e ao exercício.  Os estilos externos começam com um foco de treinamento em potência muscular, velocidade e aplicação e geralmente integram seu chigong aspectos do treinamento avançado, após atingir o nível físico “difícil” desejado. A maioria dos estilos de artes marciais chinesas são classificados como estilos externos.

Estilos internos:

Prática de Tai Chi Chuan em Xangai

Os estilos internos (  内 家 =Nèi jiā ; literalmente: ‘família interna’) se concentram na prática de elementos como a consciência do espírito, mente, chi (respiração ou fluxo de energia) e o uso de alavancagem relaxada do que a tensão muscular, que os estilistas internos chamam de “força bruta”.

Embora os princípios que distinguem estilos internos e externos tenham sido descritos pelo menos no século 18 por Chang Nai-chou,  os termos modernos que distinguem estilos externos e internos foram registrados pela primeira vez por Sun Lutang; quem escreveu que Tai chi chuan, Baguazhang e Xingyiquan eram artes internas. Mais tarde, outros começaram a incluir seu estilo nessa definição; por exemplo, Liu He Bafa, Zi Ran Men e Yiquan.

Os componentes do treinamento interno incluem treinamento de postura ( zhan zhuang), alongamento e fortalecimento dos músculos, bem como formas vazias de mãos e armas, que podem conter uma coordenação bastante exigente de postura para postura.

Muitos estilos internos têm treinamento básico para duas pessoas como tocar as mãos.  Uma característica proeminente dos estilos internos é que os formulários geralmente são executados em um ritmo lento. Pensa-se que isso melhore a coordenação e o equilíbrio, aumentando a carga de trabalho e exigindo que o aluno preste atenção minuciosa a todo o corpo e seu peso enquanto executa uma técnica. Em alguns estilos, por exemplo, no estilo Chen de Tai Chi, existem formas que incluem explosões repentinas de movimentos explosivos. Em um nível avançado, e nas lutas reais, os estilos internos são executados rapidamente, mas o objetivo é aprender a envolver todo o corpo em todos os movimentos, permanecer relaxado, com respiração profunda e controlada e coordenar os movimentos do corpo e do corpo. a respiração com precisão, de acordo com os ditames das formas, mantendo o equilíbrio perfeito. Estilos internos têm sido associados em lendas e em muita ficção popular aos mosteiros Taoístas de Wudanshang no centro da China.

Influência religiosa:

 

As artes marciais chinesas, sendo um componente importante da cultura chinesa, também são influenciadas pelas várias religiões da China . Muitos estilos foram fundados por grupos que foram influenciados por uma das três grandes religiões: Budismo, Taoísmo e islamismo.

Influência Budista

A influência do Budismo em alguns estilos (佛教, Fójiào) incluem artes marciais chinesas que se originaram ou praticaram nos templos budistas e depois se espalharam para a comunidade leiga. Esses estilos geralmente incluem filosofia, imagens e princípios budistas. Os mais famosos são os estilos Shaolin (e afins), por exemplo, Shaolinquan, Choy Li Fut , Luohanquan, Hung Gar, Wing Chun e Garça Branca .

Influência Taoista

A influência Taoísta em alguns estilos (道教; Dàojiào) incluem artes marciais chinesas que foram criadas ou treinadas principalmente dentro dos templos Taoístas ou pelos ascetas Taoístas, que freqüentemente se espalham para leigos. Esses estilos incluem aqueles treinados no templo de Wudang e geralmente incluem princípios, filosofia e imagens Taoístas. Algumas dessas artes incluem Tai Chi Chaun,Wudanquan e Baguazhan  .

Influência Islâmica

A influência do Islã em alguns estilos  (uí; Huíjiào) são aqueles praticados tradicionalmente exclusiva ou principalmente pela minoria muçulmana Hui na China. Esses estilos geralmente incluem princípios ou imagens islâmicas. O representante mais famoso de é o Tantui.

 

Outras classificações:

Estilos  zoomórficos

Estilos zoomórficos são estilos desenvolvidos com base nas características de uma criatura específica, como um pássaro ou um inseto. Sistemas inteiros de luta foram desenvolvidos com base nas observações de seus movimentos, habilidades de luta e espírito. Exemplos dos estilos mais conhecidos são Garça branca, tigre, macaco e louva-a-deus. Em alguns sistemas, uma variedade de animais é usada para representar o estilo do sistema; por exemplo, existem doze animais na maioria das práticas de Xing yi.

Estilos históricos/lendários

Muitos estilos de artes marciais chinesas são baseados ou nomeados após lendas ou figuras históricas. Exemplos de tais estilos baseados em lendas e mitos sãoos 8 imortais e Dragão. Exemplos de estilos atribuídos a figuras históricas incluem o Ying Jow Pai Xing Yi e sua relação com Yue Fei e o Tai Chi que remontam ao sábio chinês Zhang Sanfeng

Estilos de família:

As afiliações familiares também são um meio importante de identificar um sistema chinês de artes marciais. Fortemente influenciado pela tradição confucionista, muitos estilos são nomeados em homenagem ao fundador do sistema. As cinco famílias (Choi, Hung, Lau, Lei, Mok) das artes marciais do sul da China são representativas dos estilos familiares. Os estilos de família também podem denotar ramificações de um sistema. Por exemplo, as famílias de Chen, Yang, Wu e Sun representam diferentes abordagens de treinamento para a arte do Tai Chi Chuan.

 

Neste link você pode ver a lista de estilo reconhecidos pela China e sua história:

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Chinese_martial_arts( em inglês)

Referência Bibliográfica:

  1. Lorge, Peter (2012). Artes marciais chinesas da antiguidade ao século XXI . Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 9780521878814.
  2. bIr para:Brian Kennedy e Elizabeth Guo (2005), manuais chineses do treinamento das artes marciais: Uma avaliação histórica, CA: Livros do Atlântico Norte, ISBN 1-55643-557-6
  3. ^Fuo, Hsi Fen ( ) (1920). 《中國 體育 [ História do esporte na China chinesa ] (em chinês). Shanghai: Imprensa Comercial . ISBN  7-80569-179-7
  4. ^Donn F. Draeger, Robert W. Smith (1981), artes de combate asiáticas compreensivas, imprensa da universidade de Oxford (EUA), ISBN 978-0870114366
  5. ^Jwing Ming Yang e Jeffery A. Parafuso (1981), punho longo de Shaolin Kung Fu, publicações originais, ISBN 0-86568-020-5
  6. ^Brian Klingborg (1999), os segredos de Shaolin do norte Kung-Fu, Tuttle Bar, ISBN 0-8048-3164-5
  7. ^Jeffery A. Parafuso e Jwing-Ming Yang (2000), espada do norte de Shaolin: Formulário, técnicas & aplicações, centro de publicação de YMAA, ISBN 1-886969-85-X
  8. ^Stanly E. Henning (2000), “influências chinesas em artes marciais coreanas” em artes marciais do mundo: uma enciclopédia, editada por Thomas A. Green, publicada por ABC-CLIO, 2001, página 299, ISBN 1-886969- 85-X
  9. ^William Durbin que domina Kempo , 2001 ISBN 978-0-7360-0350-6  11 .
  10. ^Jane Hallander (1985), o guia completo aos estilos de luta do Kung Fu, publicações originais, CA, EUA,ISBN 0-86568-065-5
  11. ^Patrick McCarthy (1999), artes marciais Okinawan antigas, publicação de Tuttle,ISBN 0-8048-3147-5
  12. ^Bucksam Kong e Eugene H. Ho (1973), Hung Gar Kung Fu, comunicações do cinturão negro,ISBN 0-89750-038-5
  13. ^Leung Ting (1978). Wing Tsun Kuen. Hong Kong: Publicações de Leung. ISBN 962-7284-01-7, 1978, p. 30
  14. ^Shahar, Meir (dezembro 2001). “Evidência do período Ming da prática marcial de Shaolin”. Harvard Journal of Asiatic Studies . Instituto Harvard-Yenching. 61(2): 359-413. doi : 2307 / 3558572 . JSTOR  3558572 .
  15. ^Henning, Stanley (outono-inverno 1994). “Ignorância, legenda e Taijiquan” (PDF). Jornal da Associação de Pesquisa Chenstyle Taijiquan do Havaí . 2 (3): 1–7. Arquivado a partir do original PDF ) em 28 de março de 2019.
  16. ^BKFrantzis (1998), o poder de artes marciais internas: Segredos de combate de Ba Gua, Tai Chi e Hsing-I, Livros do Atlântico Norte, CA, ISBN 978-1-55643-253-8
  17. ^Marnix jorra, Chang Naizhou, Xu Zhen (2005), pugilista: Teoria de Cháng Nâizhou de artes marciais internas e a evolução de Taijiquan, livros do Atlântico Norte (CA),ISBN 1556434820
  18. ^Sun Lu Tang (192?), Conceitos das artes marciais de Sun Sun Tang do mestre, no chinês republicado em 2004, Hong Kong,ISBN 978-7-5009-1997-1
  19. ^Lu Shengli, Zhang Yun (2006), Técnicas de Combate de Taiji, Xingyi e Bagua: Princípios e Práticas de Artes Marciais Internas, Blue Snake Books / Frog, Ltd.,ISBN 1-58394-145-2

 

 

kung fu - Mi 3

A importância do treino marcial para crianças

Para entender mais sobre os conceitos e da importância das artes marciais, é preciso saber suas origens.  Na China a prática marcial data de mais de 5.000 anos, e portanto,  intimamente arraigada na cultura de seu povo.

Desde de que somos pequenos, sofremos uma influência da tv e dos meios de comunicação em geral, principalmente por filmes e desenhos como Kung fu PandaKaratê Kid ,  As aventuras de Jackie Chan, e outros tantos desenhos e filmes. Ainda que sejam ficções com efeitos especiais e animações computadorizadas é notável à cultura ocidental  os movimentos acrobáticos realizados pelos personagens para se autodefender.

Através dessas influências, as crianças têm a fantasia de ser igual aos seus personagens favoritos. De fato, atualmente há uma maior procura das artes marciais para um desenvolvimento pessoal, físico, social, competitivo, para defesa pessoal, formação de caráter e aumento da autoconfiança.

E muitos dos pais veem a possibilidade de colocar seus pequeninos para iniciarem o treinamento em alguma arte marcial, seja por amor a arte ou apenas porque a criança não mostra interesse em outras modalidades esportivas.

 

As crianças se espelham a partir de exemplos

No Ying Jow Pai Kung Fu, o professor é chamado de Sifu, palavra chinesa composta por dois kanjis, o primeiro Si= pai e o segundo Fu= aquele que ensina, sendo assim o professor acaba sendo não somente um  treinador, mas um pai , um conselheiro alguém em quem o alunos irá se espelhar.

De fato, os alunos têm como costume olhar para seus professores, seja este de matemática, futebol ou artes marciais, como verdadeiros exemplos e alguém,  o qual ele irá se espelhar em alguns ou vários aspectos, tais como princípios e valores do professor.

E, portanto, cabe aos pais avaliarem se a criança está treinando em um  ambiente cujo há incentivo a violência ou qualquer forma de estimulo negativo.

Como envolver as crianças nas artes marciais.

Dentro da Ying Jow Pai Kung Fu, temos a premissa que todos têm seu Kung Fu é que, portanto, seu desenvolvimento é individual, devendo sempre ser respeitado.

Todavia não transformamos, nosso Kwoon( sala de treinamento) em um parque de diversões, vemos muitas vezes que, com a desculpa de um treinamento lúdico, muitas escolas, iludem os país com cambalhotas e saltos, alguns chutes e socos.

Quando a faixa etária é entre 03-06 anos, é importante que o instrutor tenha ferramentas o suficiente para que a criança seja estimulada de forma lúdica sem no entanto, perder o foco da marcialidade.

É importante saber que durante essa fase a criança está desenvolvendo sua identidade e sua estrutura sócio afetiva, física e intelectual e que a parte principal é o estímulo positivo para que sejam adquiridos valores, aquisição de comportamentos sociais adequados, desenvolvimento saudável de diversas áreas do cérebro, aprimoramento de habilidades individuais e a socialização com os outros participantes de outras escolas e estilos marciais, e tudo isso através do treinamento marcial.

A  conduta, valores e princípios tanto dos responsáveis quanto dos instrutores são observadas e copiadas por cada uma das crianças cuja idade varia entre 03-15 anos, sendo essa uma reação normal de qualquer pessoa nessa faixa etária, o que nos leva a necessidade de extrema atenção dos pais para com os pequeninos, sempre analisando o que eles estão trazendo de ensinamento para casa.

Tendo conhecimento disso, procuramos desde o primeiro momento do aluno, ensina-lo sobre o Wu de(código de ética marcial), o qual é repetido todo início e término de treino, fazendo com que assim nossos alunos, lembrem-se sempre deste valores morais, os quais permeiam nossa escola.

 

 

Fazendo sua aula experimental

Escolher algo novo exige muita força de vontade e curiosidade, atributos que não podem ser excluídos de uma criança.

No entanto, muitas vezes a criança, é levada pelo medo e insegurança, pelo primeiro contato com um ambiente o qual ela ainda não está familiarizado, portanto é de suma importância respeitar este tempo da criança, e conduzindo de forma gradual, seu ingresso no meio marcial.

O Ying Jow Pai Kung Fu não só agrega atributos físicos às crianças, mas também agregam foco, força mental, espiritual e morais e incentivam laços familiares fortalecidos entre as famílias, sendo esta uma atividade feita para todos os integrantes da família.

Quer dar o primeiro passo?

Agende sua aula hoje mesmo em nossa escola

Entre em contato pelo telefone, e mail, Whatsapp ou redes sociais.

images

Chen Zizheng – O Rei do Garra de Águia. part 2(conclusão)

Educação em artes marciais

Na primavera de 1915, Chen Zi era instrutor da Brigada Beiping Moat do Exército Modelo de Peiping (Presidente Yuan Shikai). Logo, devido à vergonha, de  Yuan Shikai que roubou o país, deixou Pequim e recusou-se a deter repetidamente Jin Feng, comandante-chefe de Zhang Sui, deixando o oficial. Naquele momento, o ato deve ser respeitado, o provincial de Heilong jiang, professores e alunos da Escola Normal Provincial, se a cidade de Heilong jiang Qiqihar convidam celebridades patrióticas  que viajam longas distâncias para ensinar artes marciais, quando Liu Fengchi conduziu os alunos para a estação para recepcionarem Chen Zizheng. Depois que Chen Zizheng chegou a Qiqihar, ele ensinou artes marciais em escolas normais da província, primeiras escolas secundárias da província, escolas industriais e agrícolas da província. Chen Zizheng foi o pioneiro da educação em artes marciais na escola da província de Heilong jiang.

Chen Zizheng é postura constante, uma vez que ele vai para a Jing Wu ensinar boxe em Xangai.

 

Um lutador japonês, procurando sua luta, Chen viu estava em na base do cavalo, então setenta ou oito alunos empurravam em seu abdômen com uma grande vara de bambu, empurraram com força, , enquanto Chen estava imóvel, e viu força abdominal e força interna, essas sete ou oito pessoas deram alguns passos para trás e caíram no chão juntas, admirando muito Chen Zizheng, e não ousaram competir com Chen Zizheng e foram embora.

No inverno de 1916, Chen Zizheng foi para o sul para Peiping. No Ministério do Exército era conhecido pelo cargo de Diretor de Treinamento do Exército e Instrutor Chefe do Treinador de Artes Marciais. Chen Zizheng recusou o cargo e voltou para Heilong jiang. Nos primeiros anos da República da China, seu discípulo Liu Zhixiang serviu como instrutor de artes marciais no exército de Wu Peifu. Quando Chen Zizhen viu que Wu também era um senhor da guerra corrupto, Liu Zhixiang renunciou ao cargo de instrutor.

Em 1921, quando Chen Zizheng voltou a espalhar sua arte em Hong Kong, ele ouviu que um homem forte alemão “Aiztaner”, que alegava ser “invencível”, desafiava as artes marciais chinesas, alegando que os chineses eram “cães doentes do Leste Asiático”, e As artes marciais chinesas foram um golpe insuportável e feriram muitos chineses. Chen Zizheng estava com raiva, levando seus discípulos a soluços e usando garras de águia. Depois de algumas rodadas, ele venceu o Hércules alemão deixando ele sangrando e com raiva ringue. A “Garra da Águia” também tem esse nome, e desde então Chen Zizheng se tornou conhecido em toda a China e é bem conhecido no sudeste da Ásia.

Em 1922, Chen Zizheng foi convidado a se transferir para a filial de Jing Wu em Cingapura. Logo depois de chegar a Xinjiapo, ele derrotou um mestre de boxe britânico com meia rodada no ringue e recebeu uma “Espada Curta da Indonésia”.

Em 1927, para apoiar o Exército Revolucionário da Expedição do Norte, a criança Chen é seu sobrinho celular Chen Guojun, o discípulo Liu Meng

Esperando que 42 pessoas enviem para a Academia Militar Huangpu e vários oficiais do exército.

Mestre da arte chinesa

Em 1928. A Academia Nacional Nacional de Artes de Nanjing realizou o primeiro exame nacional. Chen Zizheng liderou a equipe como líder e treinador do Central Jingwu Club em Nanjing. Na competição, seus discípulos Guo Chengyao e Sun Chengzhi estavam entre os melhores. No último dia da competição de Taiwan, o chefe do Museu Nacional de Arte esperava que Chen Zizheng mostrasse suas habilidades. Chen Zi foi evasivo, mas renunciou. O irmão mais velho de Xingyi, Zhu Guofu ,escreveu secretamente “Hebei Chen Zizheng” com giz nas costas das roupas dele. Chen Zizheng apareceu no palco várias vezes, sem no entanto aparecerem oponentes. O nome de Chen Zizheng se espalhou por Nanjing. Zhang Zhijiang, diretor do Museu Nacional de Arte, presenteou Chen Zizheng com o título de “Mestre da Arte Nacional” e apresentou uma placa. Zhang Zhijiang é uma testemunha das artes marciais chinesas.

Em 1928, após o Concurso de Nanjing, Chen retornou a Xangai e compilaram as “Sup Lop Hunh Kuen ”  editando com a ajuda de Huang Weiqing e Li Mingde, publicado na revista Jingwu na época. Para elogiar suas realizações, a Universidade de Hong Kong deu a ele um espelho de pedra de cristal do “mérito educacional”, e Liu Fengchi, um famoso patriota do Nordeste, escreveu uma faixa intitulada “Mérito educacional para restaurar o poder nacional”. Li Zongren e Huang Xing o elogiaram como “um educador de artes marciais com influência significativa”.

No inverno de 1930, os bandidos em sua cidade natal se levantaram. Os funcionários não tiveram escolha a não ser fazê-lo. Chen Zi estava retornando à sua cidade natal para organizar o povo para construir muros e se defender. Neste momento, embora ele tenha sido especialmente convidado a se conectar ao Shanghai Jing Wu Hui Central, Hong Kong, Peiping, Hankou e outro local Jing Wu, ele ainda estava atrasado. O significado de Zizheng é que, depois que as pessoas em sua cidade natal ficam à vontade, ele se dedica ao mundo da arte.

Em 1931, o Japão invadiu a China e as três províncias do leste caíram. A convite de seus discípulos, Sun Chengzhi e Guo Chengyao, ele voltou para o nordeste. Uma vez durante a Guerra de Resistência Contra o Japão, ele e o mestre Wang Fengshan atacaram campos militares japoneses à noite, confiscaram armas japonesas e mataram as tropas japonesas. No meio do sono. Ações como essa aconteceram muitas vezes.

No inverno de 1931, ouvindo seu discípulo Sun Chengzhi, Chen Zi estava indo às três províncias do leste para espalhar sua arte, e sua terra estava perdida. Os imperialistas japoneses assassinaram e insultaram arbitrariamente mulheres na China, e seu filho estava cheio de raiva. Uma noite, ele viu uma equipe de tropas japonesas e patrulhava a equipe de cavalos, o que era conveniente para seu amigo Wang Fengshan Boxer praticar artes marciais com habilidades leves. Ele imediatamente desarmou todas as armas japonesas, matou mais de dez tropas japonesas e destruiu todas as armas japonesas.

Preocupe-se com o país e as pessoas

Ele viu as montanhas e os rios despedaçados, as pessoas foram humilhadas e ele ficou com muita raiva. Ele escreveu cartas a Bai Chongxi e Wan Fulin muitas vezes para declarar sua proposta anti-japonesa, mas todas foram rejeitadas. Ele disse indignado: “Não existe nenhum herói em nosso país que tenha levado os cavalos a recuar os invasores japoneses e recuperar o terreno perdido?” Com indignação, ele criou a “espada do dia da semana”, esperando que um dia ele liderasse um exército para matar os invasores japoneses.Vendo que ninguém unia-se a ele contra os japoneses de mesmo os líderes da província, entrou em profunda depressão. Ele morreu às 10 horas do dia 12 de julho de 1933. Ele tinha apenas 55 anos. Naquela época, sua esposa Li e seu filho Guoying, Guoxian e seu sobrinho Guojun, serviam ao redor. Ele temporariamente enviou sua alma ao Templo Guanghui em Beiping e realizou um solene memorial em Lilinzhuang Village, Xiong County, Hebei, sua cidade natal.

Sendo que em 2008 sua casa foi tombada como patrimônio Nacional e transformada em um museu, além de reconhecer o Garra de Águia de Chen Zizheng, como um verdadeiro tesouro nacional, por manter de forma intocada até hoje a tradição do Kung fu.

Referências Bibliográficas:

[1] Chen Guoqing. Eagle Claw Turning Fist [M]. Hebei: Hebei People’s Publishing House, 1986: 43.

[2] Li Peixian. Eagle Claw Turning Ten-door Boxing Fist [M]. Beijing: People’s Sports Press, 1988. 4: 12.

[3] Chen Zizheng. Abstract of Eagle Claw Fanzi Boxing [M]. Beijing: People’s Sports Press, 1984. 1: 8.

[4] Hubei Provincial Sports Commission Wushu Excavation and Arrangement Group. Yue Jiaquan [M]. Hubei: Hubei Sports Press, 1987. 9: 14.

[5] Li Peixian, Jian Shikun. The Hawk Claws turned the ten-door boxing fist [M]. Beijing: People’s Sports Press, 1986. 2: 13.

[6] Chang Cang, Zhou Lishang. Dictionary of Chinese Martial Art Names [M]. Beijing: People’s Sports Publishing House, 1993. 12: 172.

[7] Chen Gongzhe. Fifty Years of the Jing Wu Society [M]. Shenyang: Chunfeng Literature and Art Publishing House, 2001. 4: 102.

[8] Li Peixian. A Brief History of Jingwu Sports Association [J]. Sports Literature History, 1983 (1): 34.

[9] Chen Gongzhe. Fifty Years’ Development History of the Jing Wu Society [M]. Guangzhou: Guangzhou Branch of Science Popularization Press, 1985. 12: 37.

[10] Chen Guixue. “Eagle Claw King” Chen Zizheng [M]. Beijing: People’s Sports Press, 1986. 4: 32.

[11] Zhang Xuanhui. Introduction to Traditional National Sports [M]. Beijing: People’s Sports Press, 2006. 9: 24.

[12] Zhou Weiliang. Xing Jian Fang Ge [M]. Beijing: Gansu Culture Press, 2005. 6: 20.

[13] Ma Mingda. Exploration of Martial

Arts [M]. Taiwan: Taiwan Yiwen Co., Ltd., 2003. 6: 114 [14] Kang Gewu. Epitome of Chinese Civilization Heritage — Preface “Eagle Claw Fanziquan” [M] Beijing: Chinese People’s Public Security University Press, 2009.

[15] Zhang Pingzhong, Chen Xinping. On the relationship between traditional Chinese culture and martial arts [M]. Beijing: Beijing Sport University Press, 1990.

[16] Zhou Weiliang. On the Combination of Traditional Martial Arts Theory and Chinese Classical Philosophy and Culture [M]. Beijing: Beijing Sport University Press, 1990.

[17] Zhao Changgui. Study on Shaolin Temple and Shaolin Martial Arts in Ming and Qing Dynasties [D]. Kaifeng: Henan University, 2008.

[18] Compilation Team. Record of Chinese Martial Arts Boxing [M]. Beijing: People’s Sports Press, 1993.

[19] Hao Xinlian. A Probe into the Origin of Xingyiquan [D]. Chengdu: Chengdu Institute of Physical Education, 1982.

[20] Cheng Dali. On the Origin of Emei School [J]. Fighting & Martial Arts Science, 2009, 6 (4): 23 ~ 45.

[21] Kang Gewu. Research on the Source of Bagua Palm [D]. Beijing: Beijing Institute of Physical Education, 1981.

[22] Chen Xun. Fangzimen Eagle Claw Boxing and Eagle Claw Boxing [M]. Beijing: People’s Sports Publishing House, 1993.

[23] Guo Xianhe. Yingshouquan [M]. Beijing: People’s Sports Press, 2003.

[24] Kang Gewu. Practical Encyclopedia of Wushu [M]. Beijing: China Today Press, 1990.

[25] Qi Jiguang. Ji Xiao’s new book — Volume XIV · The Essentials of Quan Jing Jie [M]. Beijing: People’s Education Press, 1997.

[26] Ye Peng, Cai Baozhong. The impact of the urbanization flow of modern folk boxers on martial arts dissemination and genre differentiation [J]. Journal of Shandong Institute of Physical Education, 2008, 24 (6): 28.

[27] Zhang Zidong. Baoding Millennium Ancient County [M]. Baoding: Hebei University Press, 2008.

[28] Li Hongwei. An Introduction to Shaolin Capture [J]. Shaolin and Taiji, 2008, 10 (4): 43 ~ 54.

[29] Zhang Guangju. Yue’s Lianquan [M]. Beijing: Peking University Press, 2000.

[30] Yang Xiaojun. Northeast Fanziquan [M]. Jilin: Jilin People’s Publishing House, 2005.

[31] Compilation Committee. Cangzhou Martial Art History [M]. Hebei: Hebei People’s Publishing House, 1991.

 

http://www.lunwenstudy.com/wushu/38343.html

13517421_10201688960901443_2312404056899770531_o

Chen Zizheng – O Rei do Garra de Águia.

Chen Zizheng também é conhecido como Chen Jiping, nasceu em Lilinzhuang Village, Xiong County, província de Hebei, mestre em artes marciais e fundador da Eagle Claw Fanziquan. Bom em artes marciais desde a infância, a essência do Shaolin Boxing, Fanzi Boxing, Yue’s Sanshou e Eagle Claw . Bom no boxe da garra da águia, conhecido como “rei da garra da águia”. No sétimo ano da República da China (1918), ele veio a Xangai para demonstrar o ‘Law Horn Kuen’. Sendo convidado pela Associação Esportiva Jingwu de Xangai para ensinar o Boxe de Garra de Águia. Ele também ensinou na Universidade de Xangai, na Escola Pública Chinesa e na Universidade de St. John. No 10º ano da República da China, ele foi à Sociedade Jing Wu de Hong Kong para espalhar sua arte, e no ano seguinte ele foi à Sociedade Jing Wu de Cingapura para ensinar boxe. Logo após chegar a Cingapura, ele derrotou um mestre de boxe inglês logo no começo do 1º round recebendo como premiação uma espada curta da Indonésia. A espada foi gravada com as palavras “campeão de boxe chinês”. A filial de Hubei Wuchang Jingwu foi fundada no 12º ano da República da China. Vai ensinar.

Em 1933, ele faleceu de câncer de estômago  Peiping aos 55 anos.

“O rei do Garra de Águia”

“Uma geração de mestres nacionais”

Chen Zi é um artista marcial patriótico. Em 1900 aos 26 anos de Guangxu durante a dinastia Qing, as forças aliadas dos Oito Reinos invadiram nosso país, e a Rebelião dos Boxers lutou muito para resistir. Naquela época, não apenas o Exército Qing na área de Baoding não estava ativo, mas também lutava contra os rebeldes. A brigada, armada com armas e canhões estrangeiros, enviou tropas para atacar a cidade de Panmen, queimando  e roubando ao longo do caminho, abusando e matando mulheres, crianças  que não fizeram nada de errado. Os artistas marciais da vila de Lilinzhuang estavam sob o comando de Chen Siye e Chen Jiyun na vila de Lilinzhuang e Guzhuangtou. No cruzamento da vila, o exército Qing foi interceptado. Em conseqüência de estarem em menor número, Chen Baoan e Wang Zhisheng foram mortos. No momento crítico, Chen Tzi, , estava dando um passo à frente, liderando toda a vila, enquanto escondia os velhos crianças, e as mulheres fracas e cobrindo a retirada dos rebeldes no pátio da família Zhang, na vila de Lilinzhuang. . Então, ele fechou o portão do pátio, levou Zhuang Yong e os rebeldes até o telhado onde  derrotaram o exército Qing. Nesse momento, três soldados Qing atiraram e atacaram do lado de fora da casa, e o segundo exército rebelde caiu. Chen Zi estava ansioso para se proteger a vila do exército inimigo, que jogou fora a arma curta, cortou os beirais do tijolo azul e jogou-os no exército Qing. Depois de várias horas de trabalho duro, os soldados Qing finalmente foram derrotados, Chen Tzi levou seus soldados a caçar, e as pessoas na vila estavam seguras.

No final de 1909, o Hércules Ocidental  Opi veio a Xangai para competir, chamando os chineses”Homem doente da Ásia” despertou grande indignação dos patriotas de Xangai, pela vergonha do homem doente da Ásia, a espinha dorsal da liga Huo  Jin-sun, Chen Gongzhe, Chen Tiesheng, que convidou “o Destemido” para Xangai e  lutar contra o ocidental Hercules Opi. Após a discussão, a Associação Jing Wu foi fundada, Nong Jinzhen atuou como presidente e Yuan Jia presidiu o ensino de artes marciais. Em 1909, Jing Woo Hui foi

oficialmente estabelecido em nome de Huo Yuanjia. Huo Yuanjia chegou a Xangai a convite e foi morto pelos japoneses por apenas seis meses

Para reviver os planos Jingwu, quando o inverno de 1909, Chen Gongzhe, Yao  Bo, Lu Wei Chang, a envia uma carta com seu filho Chen é onde conta o episódio dohomem doente da neve da Ásia, fortalece o país e o povo, filho Chen decide ir, quando era vice-presidente da Associação Atlética Chin Woo. Mais tarde, ele foi para a Associação Jing Woo de Hong Kong, Universidade de Hong Kong, Faculdade de Santo Estêvão, Faculdade de Huang Ren, Igreja Confúcio etc. Depois de três anos, as artes marciais do porto se tornaram populares e depois retornaram a Xangai, deixando Liu Zhixiang para ensinar. Em Hong Kong. Escolas públicas chinesas, St. John’s University e outras escolas também estão contratando. Posteriormente, a Shanghai Jing Woo Association estabeleceu a “classe normal”, “classe semana da garra de águia”, “classe boxe da linha da garra de águia”, “regimento de autodefesa”, “regimento de auto-aprendizagem”, “regimento Chaoxin”, tudo ensinado por Chen Zizheng. Além disso, a Associação Guangdong Jing Woo, a Associação Hankou Jing Woo, o Exército Modelo de Peiping e as Ilhas Nanyang do sudeste da Ásia deixaram suas pegadas.

Excelente Kung Fu

Quando Chen Zi esteve em Cingapura no ano seguinte, um Hércules americano desafiou as artes marciais chinesas. Chen Zizheng aceitou imediatamente. O Hércules americano atingiu o rosto de Chen Zizheng com um boxe relâmpago. Chen piscou um pouco e estendeu a mão. Segure o punho direito do oponente, use  o princípio de Fun gun Chaw Gwat do Ying Jow Pai(dividir os músculos e os ossos), apenas ouviram o homem forte uivando de dor e imediatamente se ajoelhando clamando por misericórdia. Sua espinha dorsal estava fraturada e ele foi levado para o hospital, mas antes elogiou o Kung Fu de Chen Zizheng.

Nos primeiros anos da República da China, quando Chen Zizheng estava ensinando no Exército Modelo de Pequim, um oficial desprezava artes marciais e disse a Zi Zheng, que ensinava boxe, que artes marciais podiam ser praticadas tão rápido quanto uma arma. No entanto, era inútil carregá-lo. O policial ficou insatisfeito e pegou sua arma. Naquela época, Chen Zi estava a poucos metros do oficial e ficava como eletricidade. A arma do oficial foi atirada ao chão assim que foi retirada. O rosto do oficial ficou imediatamente cheio de vergonha, então Chen Zizheng também foi chamado de herói do raio.

“Salgueiro chorão de cabeça para baixo, lutando sozinho”

Nos primeiros anos da República da China, ladrões eram comuns na cidade natal de Chen Zizheng, matando e roubando. Chen Zizheng estava muitas vezes sozinho, expulsando os bandidos e protegendo o campo. No meio do 19º dia do mês lunar, em 1913, os cinco subordinados do cavalheiro de Hu Taihao, Guo Xijiu, armados com pistolas, facas e outras armas saquearam e aterrorizaram a vila Li Linzhuang. Quando Chen Zi ouviu a notícia, ele se enfureceu e um matou o ladrão, e os outros fugiram. Chen Zizheng o perseguiu, quando os ladrões viram que Zizheng estava sozinho empunharam  as armas e avançaram contra ele. Chen Zi com as próprias mãos, estava andando na frente de um salgueiro, arrancou-o do chão e segurando o tronco com os braços e puxando um salgueiro com um diâmetro de três polegadas. Então, segurando o salgueiro, ele primeiro derrubou a arma, depois recuou e depois derrubou os ladrões à esquerda e à direita. Cada um dos cinco ladrões. Desde então, os ladrões não se atrevem a vir à vila. Até agora, a vila Li Linzhuang espalhou a história dos “salgueiros de cabeça para baixo de Chen Zizheng,”.

(continua…)

china7

Kuan Kun o Patrono do Kung Fu

Guan Yu ou Kuan Kun simboliza a integridade, honestidade e justiça. É o Deus da Verdade e da Lealdade. Patrono dos militares, policiais, políticos e dos praticantes de artes marciais.

Os adeptos de Feng Shui costumam manter sua imagem em suas casas para dar  proteção;  imortalizado em um dos livros chineses mais famosos, ”O romance dos três Reinos” se transformou em um deus, venerado tanto pelo budismo, como pelo Taoismo.

Seu sobrenome era Kuan e seu nome Wan Cheen. Kun, na China significa “muito respeito”, ”após rei”.
Esta palavra era de categoria mais alta em termo de classe. Daí o nome Kuan Kun, em cantonês.
Uma das  lenda  conta que ele veio ao mundo como um santo. Sua mãe, certa vez sonhou que algo parecido com um sol entrando em sua barriga e a partir daí, sentiu-se grávida. Ao nascer, Guan Yu chegou dentro de um ovo vermelho como sangue. Seu pai pertencia ao exército com um alto escalão. Ao ver o ovo ficou enfurecido. Achava que aquilo não poderia ser gente, que não era a coisa certa, que talvez fosse até um animal… Sem pensar usou uma faca para cortar o ovo, entretanto, como ainda não era tempo certo para ele sair, o menino nasceu comum: o seu corpo era normal com qualquer criança, mas o seu rosto era vermelho como sangue, completamente vermelho.

              Guan Yo não representa o mesmo que outros Deuses da Guerra como Tyr ou Ares, na função da guerra. Enquanto estes dois abençoam os combatentes, Guan Yu está mais relacionado ao caráter dos combatentes, simbolizando os bravos no campo de batalha. Ele mesmo combateu como general da milícia, sob comando de Liu Bei, durante a dinastia Han, no período dos Três Reinos Combatentes da China antiga.

Considerado um dos melhores guerreiros da época e grande mestre na arte da cavalaria, passou a ser chamado “Deus da Guerra” ou “Buda da Guerra”. Por suas qualificações, comandou os “Cinco Tigres de Shu”: Zhao Yun, Zhang Fei, Ma Chao, Huang Zhong.

Diz a história chinesa, que Guan Yu foi um dos “três irmãos do pomar de pêssego“. Ele fez amizade com Liu Bei, um fabricante de sandálias de palha, e Zhang Fei, um açougueiro rico; e juraram serem irmãos fiéis até a morte. Posteriormente, Liu Bei se tornou o primeiro Rei de Shu-Han, no período Três Reinos, quando Guan Yu ficou conhecido por suas extraordinárias habilidades marciais e estratégicas militares, mas principalmente por sua lealdade a Liu Bei, e continuou lutando até ser derrotado e executado em 219 d.C.

Em toda sua vida, Guan Yu observou fielmente o juramento que fez a Liu Bei e Zhang Fei, sua retidão ganhou grande respeito pelos três reinos. No século 16, ele foi canonizado como o Guerreiro Sagrado da China, um protetor de todo o mal, e foi adorado por séculos em muitas religiões da Ásia.

Respeitado por sua lealdade e justiça

O grande guerreiro morreu em uma das batalhas de Shu contra Wei. Dizem que sua cabeça foi separada do corpo e entregue ao rei de Wei, Cao Cao, que chorou sua morte e homenageou-o com uma tumba sagrada. No livro dos Três Reinos existe uma passagem que descreve que a alma de Guan Yu causou uma reação frenética em Lu Meng, que terminou padecendo por isto.

Em 2016, uma imensa estátua do general Lord Guan, foi inaugurada na cidade de Jingzhou, província de Hubei na China. A estátua de 58 metros de altura, pesando 1.320 toneladas, fica no centro do parque, Guan Yu Park, e abriga em seu interior, um museu de 8.000 metros quadrados, dedicado a sua história. A estátua foi projetada por Han Meilin, conhecido pelo desenho dos mascotes das olimpíadas de Pequim em 2008.

Guan Yu, era muito temido pelos seus inimigos e foi o inventor de uma das armas mais famosas da arte marcial Kung Fu, o kwan tao (ou guam dao), representado na estátua, chamada de “Green Dragon Crescent Blade” e pesa 136 toneladas. A estátua fica sobre um pedestal de 10 metros de altura, que representa um navio de guerra. A estátua foi recoberta com mais de 4.000 tiras de bronze.

 

Referências:

http://www.mitologi.co/2012/10/guan-yu-mitologia-ocidental-nerd.html.

https://www.epochtimes.com.br/o-guerreiro-sagrado-guan-yu/. https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2016/07/china-faz-estatua-epica-de-deus-da-guerra.html.

 

 

ying-jow-pai-brasil-banner-home-promo-março-mes-mulher-IMAGEM

Promoção Mês das Mulheres

No dia 8 de março é comemorado o dia internacional da mulher, por isso, na Ying Jow Pai Brasil, todas as mulheres treinam no mês de Março por apenas R$ 50,00

 

 

Regras:

* 1 MêS R$50,00: *Apenas a primeira mensalidade do seu plano será no valor de R$50,00, cuja cobrança se dará no ato da matrícula, sendo o valor integral do plano Trimestral ou Semestral. Válido apenas para novas vendas durante o período compreendido entre o dia 02/03/2020 até 20/03/2020.

Condições promocionais vinculadas a permanência mínima de três meses. Caso haja cancelamento durante o período de permanência mínima, você perderá o direito ao benefício promocional e o valor do benefício será cobrado pela Avatar Kung Fu, juntamente com quaisquer outros valores eventualmente devidos no momento do cancelamento. Promoção não cumulativa. Não é válido para clientes com débito anterior em aberto ou que tiveram seu plano cancelado por violação das normas de utilização.

Qualquer dúvida entre em contato através do email:
ou do whatsapp: (11)9 8736-7504

Contatos

Avatar Kung Fu / Ying Jow Pai

E-mail

Avatar Kung Fu / Ying Jow Pai Brasil - Todos os Direitos Reservados